Concurso TRF da 5ª Região 2015 tem 85 vagas abertas



  

Está quase no fim o período de inscrições para o concurso público do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, que abrange os estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. O edital n° 01/2014 do XIII concurso público do órgão oferece 85 vagas no cargo de Juiz Federal Substituto, cuja remuneração será de R$ 23.997,18.

Essa oportunidade é destinada a candidatos que tenham o diploma de bacharel em Direito há pelo menos 3 anos. Também é necessária a graduação em instituição de ensino superior reconhecida pelo MEC, além de ter ao menos 3 anos de atividade jurídica comprovada até o momento da inscrição definitiva. Lembrando que essa atividade deve ser exercida a partir da conclusão do curso de Direito.

O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos – Cespe/UnB é a empresa contratada para auxiliar no certame. Há a reserva de 5% das vagas para os candidatos com deficiência, contudo é importante que seja apresentado o laudo pericial para comprovação.

São várias etapas para a seleção dos candidatos: prova objetiva; duas provas escritas; inscrição definitiva; sindicância da vida pregressa e investigação social; avaliação de sanidade física e mental; exame psicotécnico; prova oral e avaliação de titulação.





Na data provável de 15 de março de 2015 será aplicada a prova objetiva, nas cidades de Maceió/AL, Fortaleza/CE, Aracaju/SE, João Pessoa/PB, Natal/RN e Recife/PE. Os locais, horários e salas serão informados a partir do dia 5 de março de 2015. As provas escritas serão aplicadas nos dias 12, 13 e 14 de junho de 2015, em local e horário definidos pela organizadora do certame.

Os interessados têm até o dia 18 de dezembro para se inscrever, preenchendo o formulário disponível no endereço eletrônico www.cespe.unb.br. Lembrando que é cobrada a taxa de inscrição no valor de R$ 239,00. A validade do concurso público é de dois anos, contados da data de homologação dos resultados. Ele pode ser prorrogado por mais dois anos, conforme as necessidades do órgão.

Por Ana Rosa Martins Rocha



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *